• White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon
Desenvolvido por

September 17, 2018

Please reload

Vídeo #30 - Coaching, o que é - Gestão de Pessoas

23/11/2017

1/3
Please reload

Destaques

Análise SWOT - Artigo #02 - Gestão de Negócios

14/02/2017

A Análise SWOT é uma das ferramentas mais utilizadas para fazer análise de cenários ou ambientes, onde a empresa está inserida; sendo usada como base para Gestão de Negócios e/ou desenvolvimento do Planejamento Estratégico de uma corporação ou empresa.

A técnica é creditada a Albert Humphrey, que liderou um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford nas décadas de 1960 e 1970, usando dados da Revista Fortune das 500 maiores corporações.

Não há registros precisos sobre a origem desse tipo de análise, segundo Hindle & Lawrence (1994) a análise SWOT foi criada por dois professores da Havard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen.

Por outro lado, Tarapanoff (2001- 2009) indica que a idéia da análise SWOT já era utilizada há mais de três mil anos quando cita em epígrafe um conselho de Sun Tzu: “Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças” (Sun Tzu, 500 a.c).

 

Algumas regras:

• Todos os participantes devem conhecer os conceitos aplicados e práticas envolvidas;

• Informações devem ser atualizadas, as informações devem ser evidências e constatações e nunca opiniões e percepções;

• É necessário incluir visões de pessoas de fora da organização;

• Deve-se utilizar técnicas como “brainstorming”, “focus group”, entrevistas, pesquisas, etc;

• Deve ser feito baseado em percepções de consumidores e constatações do mercado (dados de campo) e não em percepções internas da organização.

 

 

Os campos FORÇAS, FRAQUEZAS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS devem ser preenchidos pelos participantes do grupo de trabalho, conforme definições abaixo:

 

FORÇAS (“Strenghts”) – Correspondem aos recursos e capacidades da empresa que podem ser combinados para gerar vantagens competitivas em relação a seus competidores; exemplos:

• Marca de produto no mercado;

• Conceito da empresa sob os pontos de vista dos “stakeholders” que são as partes interessadas no sucesso da empresa, são eles: clientes, colaboradores, acionistas, comunidade e parceiros (que podem ser: alguns clientes, alguns fornecedores, membros da comunidade);

• Participação de mercado;

• Vantagem de custo ou diferenciação;

• Localização geográfica, facilidades logísticas;

• Fontes exclusivas de matéria prima e/ou de outros recursos;

• Grau de controle sobre a rede de distribuição, clientes, fornecedores, etc.

 

FRAQUEZAS (“Weaknesses”) – Os pontos mais vulneráveis da empresa em comparação com os mesmos pontos de competidores atuais ou em potencial; exemplos:

• Pouca força da marca;

• Baixo conceito junto ao mercado;

• Custo elevado;

• Nenhuma vantagem competitiva e/ou diferenciação positiva;

• Localização geográfica não favorável;

• Falta de acesso a fontes de matéria prima e/ou outros recursos;

• Pouco controle sobre a rede de distribuição, clientes, fornecedores, etc.

 

OPORTUNIDADES (“Opportunities“) – (Oliveira, 1991, p. 64) “São forças ambientais incontroláveis pela empresa, que podem favorecer a sua ação estratégica, desde que conhecidas e aproveitadas satisfatoriamente enquanto durarem”. O estímulo ao início do levantamento das oportunidades pode ser através de questões como as que seguem:

• Onde estão as chances à nossa frente?;

• Quais são as tendências interessantes?;

• Oportunidades úteis podem surgir de situações como: necessidades do consumidor não atendidas, pontos não atendidos pelo concorrente, mercados não explorados;

• Novos produtos / serviços;

• Novos canais de venda, novos setores de atuação.

 

AMEAÇAS (“Threats”) – (Oliveira, 1991, p. 64) “São forças ambientais incontroláveis pela empresa, que criam obstáculos à sua ação estratégica, mas poderão ou não ser evitadas, desde que conhecidas em tempo hábil”. Há na bibliografia algumas questões-chave, como:

• Quais obstáculos que a empresa encontra?;

• O que os competidores estão fazendo?;

• Possibilidades de entrada de novos competidores;

• Há alguma mudança no padrão de consumo de seus clientes?;

• As mudanças de tecnologia estão ameaçando sua posição?;

• Dificuldades com recursos de matéria prima, suporte, etc?;

• A empresa apresenta problemas financeiros?

 

Preenchidos todos os campos com as informações vide instruções, obtem-se um “retrato” do ambiente onde a  empresa está inserida; daí o desafio, buscar o consenso na equipe de trabalho na definição das “ações chaves” a serem implantadas no curto, médio e longo prazos com objetivos de minimizar os efeitos das FRAQUEZAS e AMEAÇAS e maximizar os efeitos das FORÇAS e OPORTUNIDADES.

 

Jorge Guzo

Share on Facebook
Please reload